Yahoo Web Search

  1. Áustria-Hungria – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.wikipedia.org › wiki › Império_Austro-Húngaro

    Áustria-Hungria ou Império Austro-Húngaro foi uma união constitucional do Império Austríaco (Reinos e Terras Representados no Conselho Imperial, ou Cisleitânia) e o Reino da Hungria (Terras da Coroa de Santo Estêvão ou Transleitânia) que existiu de 1867 a 1918, quando entrou em colapso após a sua derrota na Primeira Guerra Mundial.

  2. Cronologia do Império Austro-Húngaro – Wikipédia, a ...

    pt.wikipedia.org › wiki › Cronologia_do_Império

    8 de março de 1915: O Império Austro-Húngaro declara-se disposto a ceder a região de Trieste. 26 de abril de 1915: É assinado o Tratado de Londres, secreto, entre Reino Unido, França, Rússia e Itália. A Itália muda de lado, obtendo Trieste como incentivo. 21 de outubro de 1916: O socialista Friedrich Adler assassina o ministro ...

  3. People also ask

    Qual foi a união entre a Áustria e a Hungria?

    Quando foi fundada a Hungria?

    Por que os soldados húngaros foram deslocados para a Hungria?

    Por que os bávaros cruzaram a Áustria?

  4. Exército Austro-Húngaro – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.wikipedia.org › wiki › Exército_Austro-Húngaro

    Com a assinatura do Compromisso austro-húngaro de 1867 foi criado o exército triplo que iria compor as forças armadas do império. O exército continuou a existir desta forma até a dissolução do Império Austro-Húngaro após a Primeira Grande Guerra em 1918. [1] No final do século XIX, o país gastava quase 25% da sua renda nas forças ...

    • 1867
    • Landstreitkräfte Österreich-Ungarns (em alemão), Császári és Királyi Hadsereg (em húngaro)
  5. Áustria – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.wikipedia.org › wiki › Áustria

    O Império Austro-Húngaro marcou o último período da monarquia dos Habsburgo (1867-1918) e um último suspiro da "velha Europa". Foi um período caracterizado pela permanente crise política entre as diversas nacionalidades, mas também por um grande desenvolvimento econômico, social e cultural que influenciou toda a Europa.

  6. Brasão de Armas da Áustria-Hungria – Wikipédia, a ...

    pt.wikipedia.org › wiki › Brasão_de_Armas_da

    Brasão de armas do Império Austro-Húngaro (1846) O Brasão do Império austríaco (desde 1815) O brasão de armas do Império Austríaco foi criado no ano 1815, finalizado o Congresso de Viena . Foi adotado pelo primeiro imperador da Áustria, Francisco I, que também foi o último imperador Sacro-Romano com o nome de Francisco II. O Sacro ...

  7. Casa de Habsburgo – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.wikipedia.org › wiki › Casa_dos_Habsburgos

    A Fernando I deve-se a organização progressiva do futuro Império Austro-Húngaro. Perdurou o costume de divisões por sucessão, e em 1564 o novo imperador Maximiliano II concedeu a Estíria a seu irmão Carlos, o Tirol e possessões no Reno ao outro irmão Fernando.

  8. Império Otomano – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.wikipedia.org › wiki › Império_Otomano
    • História
    • Demografia
    • Governo
    • Subdivisões
    • Economia
    • Cultura
    • Ver também

    Ascensão

    Com o desaparecimento do Sultanato de Rum, por volta de 1300, a Anatólia turca foi dividida em uma colcha de retalhos de estados independentes, os beilhiques. Por volta de 1300, o enfraquecido Império Bizantino havia perdido a maioria de suas províncias na Anatólia para dez beilhiques. Um desses beilhiques eram liderados por Osmã I, filho de Ertogrul, da região de Esquiceir na Anatólia Ocidental. No mito da fundação do império contada em uma história medieval turca conhecida como "O sonho de...

    Crescimento

    Este período da história otomana pode ser dividido em dois períodos: um de crescimento territorial, econômico e cultural até 1566, depois seguido de um período de relativa estagnação política e militar.

    Estagnação e reforma

    Durante o período de estagnação muitos territórios otomanos nos Bálcãs foram cedidos à Áustria. Certas áreas do império, como Egito e Argélia, tornaram-se independentes em todos os aspectos e, posteriormente, tornaram-se colônias da Grã-Bretanha e da França, respectivamente. No século XVIII, a autoridade centralizada deu lugar a diferentes graus de autonomia provincial apreciada por governadores e líderes locais. Várias guerras foram travadas entre o Império Russoe o Império Otomano entre os...

    Uma estimativa da população para o império foi de 11 692 480 habitantes para o período entre 1520 e 1535 foi obtida contando os agregados familiares em registos de tithe otomano e multiplicando este número por 5.[17] Por razões pouco claras, a população estimada no século XVIII foi menor do que no século XVI.[18] Uma estimativa de 7 230 660 para o primeiro censo realizado em 1831 é considerada um subcontagem grave, uma vez que este recenseamento foi feito apenas para registrar possíveis conscritos.[17] Censos de territórios otomanos só começaram no início do século XIX. Os números de 1831 em diante estão disponíveis como resultados oficiais do censo, mas os censos não cobriam a população inteira. Por exemplo, o censo de 1831 apenas contou homens e não cobriu todo o império.[19][17] Para períodos anteriores, as estimativas de tamanho e distribuição da população otomana são baseadas em padrões demográficos observados.[20] No entanto, a população começou a aumentar até atingir 25-32 mi...

    Antes das reformas dos séculos XIX e XX, a organização estatal do Império Otomano era um sistema que tinha duas dimensões principais, que eram a administração militar e a administração civil. O sultão era a posição mais alta no sistema. O sistema civil baseava-se em unidades administrativas locais com base nas características da região. Os otomanos praticavam um sistema em que o Estado (como no Império Bizantino) tinha controle sobre o clero. Certas tradições pré-islâmicas turcas que haviam sobrevivido à adoção de práticas administrativas e legais do Irã islâmico permaneceram importantes nos círculos administrativos otomanos.[36] De acordo com a compreensão otomana, a responsabilidade primária do Estado era defender e estender a terra dos muçulmanos e assegurar segurança e harmonia dentro de suas fronteiras dentro do contexto abrangente da prática islâmica ortodoxa e da soberania dinástica.[37] O Império Otomano ou, como uma instituição dinástica, a Casa de Osmã, foi sem precedentes...

    O Império Otomano era primeiro subdividido em províncias, no sentido de unidades territoriais fixas com governadores nomeados pelo sultão, no final do século XIV.[49] O eialete (também Paxalique (Pashalik) ou Beilerbeilique (Beylerbeylik)) era o território do escritório de um Beilerbei e foi subdividido mais adiante em sanjacos.[50] Os vilaietes foram introduzidos com a promulgação da "Lei Vilaiete" (em turco: Teskil-i Vilayet Nizamnamesi)[51] em 1864, como parte das reformas Tanzimat.[52] Ao contrário do sistema de eialete anterior, a lei de 1864 estabeleceu uma hierarquia de unidades administrativas: o vilaiete, liva/sanjaco, kaza e conselho de aldeia, aos quais a Lei Vilaiete de 1871 acrescentou o nabiye.[53]

    O governo otomano prosseguiu deliberadamente uma política para o desenvolvimento de Bursa, Edirne e Istambul, as sucessivas capitais otomanas, em grandes centros comerciais e industriais, considerando que comerciantes e artesãos eram indispensáveis ​​na criação de uma nova metrópole.[54] Para este fim, Maomé II e seu sucessor Bajazeto II, também encorajou e acolheu a migração dos judeus de diferentes partes da Europa, que se estabeleceram em Istambul e outras cidades portuárias como Salônica. Em muitos lugares na Europa, os judeus estavam sofrendo perseguição nas mãos de seus homólogos cristãos, como em Espanha após a conclusão da Reconquista. A tolerância exibida pelos turcosfoi bem recebida pelos imigrantes. A mente econômica otomana estava intimamente relacionada com os conceitos básicos do Estado e da sociedade no Oriente Médio, onde o objetivo final de um Estado era a consolidação e a extensão do poder do governante, sendo que a maneira de alcançá-lo era obter recursos ao torna...

    Os otomanos absorveram algumas das tradições, artes e instituições das culturas nas regiões que conquistaram e acrescentou novas dimensões. Várias tradições e traços culturais de impérios anteriores (em campos como arquitetura, gastronomia, música, lazer e governo) foram adotados pelos turcos otomanos, que os elaboraram em novas formas, o que resultou em uma nova e distinta identidade cultural otomana. Apesar das novas incorporações, a dinastia otomana, como seus predecessores no Sultanato de Rum e no Império Seljúcida, eram tinham cultura, linguagem, hábitos e costumes persas e, portanto, o império era descrito como um império persa.[61][62][63][64]Os casamentos interculturais também desempenhavam o seu papel na criação da cultura elitista otomana. Quando comparada com a cultura popular turca, a influência dessas novas culturas na criação da cultura da elite otomana era clara. A escravidão era uma parte da sociedade otomana,[65] sendo que a maioria dos escravos eram empregados como...

  9. Hungria – Wikipédia, a enciclopédia livre

    pt.m.wikipedia.org › wiki › Hungria

    Hungria (em húngaro: Magyarország, pronunciado: [ˈmɒɟɒrorsaːɡ] ( escutar (ajuda·info))) é um país localizado no leste europeu, especificamente na Bacia dos Cárpatos. Faz fronteira com a Eslováquia ao norte, Romênia ao leste, Sérvia ao sul, Croácia a sudoeste, Eslovênia a oeste, Áustria a noroeste e Ucrânia a nordeste.

  10. Participantes da Primeira Guerra Mundial – Wikipédia, a ...

    pt.m.wikipedia.org › wiki › Participantes_da

    A causa imediata da guerra foi a disputa entre o Império Austro-Húngaro e a Sérvia acerca das investigações do atentado, ocorrido em Sarajevo, na Bósnia e Herzegovina, [2] no qual foram mortos o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono Austro-Húngaro, e sua esposa, Sofia.